Você quer bolo? Aqui tem!

Eu sempre tive uma grande paixão: Bolo. Eu amo bolos. Amo comer bolos, amo a ideia de fazer bolos (apesar de eu não exatamente saber como se faz um bolo), amo decorar bolos e, também tirar foto de bolos – e postar para falar sobre esse doce maravilhoso! Que é o melhor doce do mundo, como todo mundo sabe!

Então já fazia algum tempo que eu estava com a ideia de abrir um instagram (principalmente depois de ter falado sobre como essa rede social é a minha favorita aqui) e ai eu finalmente inaugurei a minha ideia na semana passada. O Sommelier de Bolo (@sommelierdebolo) é para fazer review de, claro, bolos – mas também vou fazer de outros doces porque eu não tenho nenhum foco mesmo, então pra que tentar fingir que tenho, não é?

Para anunciar o instablog aqui no Coisas Desiguais, o meu blog lindinho, eu decidi fazer mais uma lista de instagrams que falam desse assunto – bolos ou doces. Sem mais delongas, a lista!


A Whipped Cake é uma confeitaria de Brisbane, na Australia, que faz alguns dos bolos mais maravilhosos que eu já vi na minha vida. Eles são todos incríveis e exatamente no estilo que eu mais gosto. Sem muito requinte exagerado, sem muito enfeite, sem muita zoeira e só aquele sabor mais do que delicioso de um bolo fenomenal.


Tem coisa mais gracinha? O Cuppy and Cake é um dos meus blogs favoritos para ver bolos principalmente por conta do estilo super delicado das coisas que eles publicam. Se você gosta desse tipo de “culinária arte” então aqui é o lugar para procurar! Inclusive, recentemente eles fizeram uns cookies do Pusheen que são oficialmente o MEU SONHO DE CONSUMO. Não sei porque não os tenho comigo nesse momento, honestamente.


O Tastemade já era fenomenal na versão americana (que super vale a pena olhar se você gostar de ficar para sempre obcecado por vídeos de comida), então agora chegando na versão brasileira fica incrível (novamente, obcecado por vídeos de comida!). Além de fazerem aqueles vídeos maravilhosos (!!!!!!) que a gente adora compartilhar no facebook, eles também publicam receitas e na versão BR tentam incorporar sempre coisas brasileiras nas receitas, assim como a sua versão do buzzfeed, o Tasty Demais.


A Unbirthday Bakery é também fenomenal, tal como a Whipped Cake. Isso deve ser alguma coisa de doceiras australianas, porque a confeitaria também fica na Austrália, mas em Sidney. Eu cometi o erro de entrar no site deles e lá tem os preços (que não são caros!) e estou quase querendo ir para a Austrália só para encomendar um bolo. Vai dizer que você não queria uma coisa dessas só para você? A melhor parte: Eles não usam fondant em nada (e eu não gosto de fondant, apesar de achar lindo).


A Magnolia Bakery, que está para abrir a sua primeira filial no Brasil (que infelizmente é em São Paulo, grrrrr) é um verdadeiro sonho de consumo meu. Tudo que eles tem lá é lindo e parece gostoso, mas todo mundo sempre me diz que é maravilhoso MESMO. Porque, né, tem aquelas coisas que parecem gostosas e todo mundo sempre me diz que não são (tipo Cake Boss, infelizmente). Sério, ok. OLHA ESSES CUPCAKES. Não dá uma vontade de lamber a tela?


Rocambole de pizza? Tem no feed da Gordelícias! Além de ser um blog super gracinha e que me fez stalkear a Raquel Arellano em todas as redes sociais (basicamente), o Gordelícias tem um feed maravilhoso no instagram. Ela alterna muito bem entre as fotos das receitas deliciosas, indicações de onde comer e ainda aquele drops de vida de verdade que a gente sempre gosta de ver no conteúdo. É muito legal, sério!


Quer mais? Vai lá no Sommelier! :P

Me taggeia aí!

instagram

Desde que eu abri a minha conta no Instagram, essa rede social se tornou não só a minha favorita como também uma grande paixão. Eu leio sobre, sigo milhares de pessoas do mundo inteiro e até trabalho com Instagram. Cuidar de mídias sociais é muito interessante, divertido e nada fácil, mas eu gostaria muito de ficar só no Instagram o tempo todo. Criei a página do Facebook há pouco tempo e todos os dias surto um pouco pensando se vocês estão gostando do conteúdo da página ou se estão detestando tudo, rs. Com o Instagram, não tem esse problema. Fotos são um bom conteúdo, uma boa forma de se comunicar com as outras pessoas.

Além do que: Eu não sou profissional de fotografia, mas eu adoro tirar fotos. Principalmente #selfies.

Com esse pensamento da minha rede social favorita eu pensei em chegar aqui e fazer uma postagem sobre 10 perfis no Instagram que acho incríveis! Tanto por terem um conteúdo maravilhoso quanto fotos muito boas. Esse post talvez fique bastante pesado por conta das fotografias, então peço paciência. Para entrar no perfil basta clicar na foto, já que não consegui colocar o script do site no wordpress. Senta aí que lá vem lista!


O Daily Overview é, de longe, o meu ig favorito atualmente. Eu amo a ideia de poder ver paisagens do mundo inteiro com outro tipo de olhar e essa página leva esse outro olhar às alturas. Eles fazem um trabalho de colocar imagens do topo, sempre, do mundo inteiro, com altíssima qualidade e dedicação. Vale a pena conferir!

Essa foto é da cidade de Guadalajara, que é a segunda mais populosa cidade do México.


Tem alguns feeds pessoais que eu gosto muito de seguir porque me inspiram com as fotografias, mesmo selfies e imagens do dia-a-dia. O ig da Katarzyna Napiórkowska não é muito atualizado, mas eu gosto bastante do estilo das imagens que ela coloca e da maneira como ela divulga o seu trabalho – em fotografia e filme – por meio da mídia digital. Além do que, ela é linda demais.

Outras páginas mais pessoais que também são legais para caramba: @anthonioandreazza@chrisspy, @nestreya, @eliz_kim e @omundodejess.


Tem alguns feeds que simplesmente são lindos por razão de estética. Pessoas que se apaixonam por alguma coisa e decidem ilustrar isso nas suas contas. O I Have This Thing With Floors é uma página só com fotos do chão e de pés, estética pura e completa. Ainda assim, as fotografias me inspiram todas as vezes que me sinto travada. Eu cheguei a tentar tirar algumas nesse estilo, mas nunca deu tão certo, rs. Mas fica muito bonito quando pessoas profissionais fazem HUAHEUAHUEAHU.


O MovedBy é um instagram de fotografias, principalmente das que retratam estilos de vida. Bem tradicional. Só que ele chama muito a minha atenção pela estética das pessoas que são fotografadas para os projetos. Primeiro porque são pessoas e imagens lindas, sempre. Depois porque são diferentes, são estilos de vida diferentes do meu, o que é mais do que ótimo! Se eu só quisesse ver gente igual a mim eu não ia seguir ninguém, não é?


Vai ter foto de casamento? Vai ter sim! O Two Birds Nest é um site especializado em fotos de casamentos entre pessoas LGBT+, principalmente casais lésbicos. O feed deles é lindo, cheio de amor e com fotos que vão marcar um dos dias mais felizes da vida deles. Eu não sonho em me casar, mas eu adoro ver foto de casamentos, porque sempre consigo sentir o quão especial essa data foi para todos eles. E olha essas duas lindas aqui do lado, vai dizer que não é maravilhoso?


O Assumindo o Rabisco é um feed maravilhoso criado pela designer Carol Porto, que também é uma maravilhosa. Ela faz desenhos de frases e quotes no seu caderno e todos eles ficam uma G R A C I N H A que dá um gosto enorme de seguir! Recentemente ela conseguiu 500 seguidores do instagram, o que faz um feed pronto para bombar! Ah, e as vezes ela posta um pouco da gatinha dela, a Belinha, que é uma das gatinhas mais fofas que eu já tive a honra de conhecer.


O Um Cartão é um feed para levantar o seu ânimo quando estiver triste. Com mensagens positivas e cheias de bombas de autoestima. A ideia são pequenos cartões para você entregar tanto para outras pessoas (marcando-as) ou para si mesmo, como pequenos recados interessantes de se ler. Além de eu adorar tipografias, também adoro receber uma dose de coisas positivas logo no começo do dia!


Vai ter mais ilustração? Essa é a última dica, prometo. O instagram da Cajila Barbosa, designer e ilustradora é cheio de ilustrações maravilhosas, cheias de cores e traços incríveis! Ela já tem uma boa quantidade de seguidores, mas quanto mais melhor, não é? Ela também não posta com muita frequência, mas quando posta sempre dá uma felicidade de ver. Essa do Bowie, por exemplo, dá um apertinho no coração de lembrar, mas não dá para parar de olhar ao mesmo tempo.


Eu sigo vários instagrams de cachorros. VÁRIOS. MUITOS MESMO. Mas decidi selecionar o It’s Polenta para essa postagem porque eles tem um feed constante, sempre com atualização, e poucos followers! A Polenta é uma cachorrinha linda demais que adora tirar fotos e tem até um amigo gato. Eu acho que ela é brasileira, mas não tenho certeza. Só sei que tem muitos produtos da Zee Dog (loja maravilhosa para bichinhos, sempre quis) e uma coleção de bichinhos de pelúcia de dar inveja!

Um outro feed de cachorro que eu adoro é o da @miudafrenchie, que já é mais conhecido mas tão gracinha quanto. Mas apesar de eu não ter colocado na lista, eu sigo milhões de igs de gatos também! Vou ver se faço uma lista só para eles depois. Menções honrosas felinas: @catinberlin, @canseidesergato_, @gatolandiaresort e ainda muitos outros.


Por último, mas não menos importante, Turbo The Hedgehog é uma gracinha que habita os feeds de mais de sessenta mil pessoas. Ele é um ouriço e só isso já poderia ser esquisito o suficiente, mas ele é um ouriço africano que mora no Japão. E ele tem vários utensílios domésticos do tamanho dele, o que deixam as fotos muito divertidas e gracinhas, acima de tudo. Eu sou apaixonada por ouriços, lontras e furões então ter o Turbo no meu feed sempre me deixa mais feliz. Até porque OLHA COMO ELE É FOFINHO!

Outros feeds de animais ~diferentões~ que também são legais: @prairiedogpack@fuzzberta, @joejoe_the_capybara e @ferret_rules.

Responsabilidades e Viajar Sozinha

Viajar sozinha é algo estranho.

Ontem foi a primeira vez que eu viajei sozinha na minha vida e essa foi a minha principal reflexão sobre o evento. É estranho. Muito interessante, muito legal, muito instrutivo, mas, acima de tudo, estranho. Há uma sensação de confusão no ar de pensar que se está sozinha durante todo aquele caminho, que se houver algum problema não irá ter ninguém para te socorrer. É a sensação estranha de estar recebendo responsabilidade que você nunca recebeu antes de uma vez só. Como se fosse uma grande cachoeira de coisas importantes para se pensar em ao mesmo tempo, uma cachoeira da deveres.

Entretanto, mesmo com todo esse peso e a preocupação, viajar sozinha vai ser algo que vai entrar para a história. Primeiro porque fazia alguns bons anos que eu queria fazer isso, que eu insistia para que me deixassem ir e torcia para que decidissem me dar a opção de aniversário. Era algo que eu sempre quis fazer, principalmente por eu sempre ter tido amigos que moram fora do Rio de Janeiro, principalmente em São Paulo e Belo Horizonte – onde estou. Mas mesmo eu tendo onde ficar, tendo quem visitar, sabendo para onde eu queria ir… Demorou. Não vou dizer que entendo os motivos porque nunca entendi, só demorou.

Então quando eu passei pelas portas da área de embarque e me vi completamente sozinha a única sensação que eu pude ter foi estar verdadeiramente feliz. Por mim, por conta de todo o tempo que eu tinha ansiado por essa experiência e pelas coisas que eu já estava planejando que iriam acontecer posteriormente, quando chegasse a Minas Gerais. Afinal, não iria somente pegar um avião para viajar sozinha, mas um ônibus logo em seguida, uma vez que o aeroporto de Belo Horizonte não fica em Belo Horizonte – algo bem incompreensível para mim, mas vamos deixar de lado.

Estava uma hora e meia adiantada e eu culpo a animação por me ver lidando com isso por isso. Eu acordei tão cedo quanto possível para embarcar, fui tomar café tão cedo quanto possível e fiz tudo o mais rápido possível. Quando sentei na área de embarque, então, me vi livre pela primeira vez. Verdadeiramente livre. Não foi uma experiência dessas em que eu me vejo perdida, foi uma sensação de liberdade e independência que eu vinha esperando faz anos. Como se fosse uma verdadeira valorização do que eu vinha fazendo e me transformando faz anos e anos.

Alguns problemas no caminho aconteceram, claro, como era esperado. O raio x deixou todos os meus aparelhos com as telas rosadas e eu entrei em desespero completo por achar que havia quebrado tudo, tive a certeza de que iria perder o meu voo se não ficasse ao lado do meu portão de embarque e ainda houve o pequeno terror de ficar me perguntando sobre a pessoa que se sentaria ao meu lado. Não sou exatamente tranquila sobre tudo e não iria gostar de passar cinquenta minutos com um estranho desagradável ao meu lado.

As preocupações vieram e passaram a medida que eu vinha a aproveitar a viagem, desde a decolagem até a aterrissagem, mesmo com a dor nos ouvidos e a confusão do avião. Um fator positivo da minha viagem, definitivamente, foi estar viajando de Azul. E tenha certeza que isso não é merchandising, eu realmente gostei. O serviço deles foi rápido e eficiente, além de impecável. Apesar de ser mais uma daquelas companhias que não acham importantes que aja espaço para as pernas entre as cadeiras, eles fazem algo que algumas das outras deixaram de fazer: servem comida no voo sem ficar de mimimi sobre isso. E se tem algo que me deixa imensamente feliz é comida.

Chegando em Confins (no aeroporto) peguei a minha mala bem maior do que eu realmente precisaria para a viagem de sete dias – mas ainda muito eficiente em ter absolutamente tudo que eu poderia imaginar precisar durante esses sete dias – e fui atrás de um ônibus para fazer a viagem de Confins para Belo Horizonte. Informada com facilidade pelo guichê de informações do aeroporto, fui ao guichê de ônibus e comprei a passagem por um preço mais barato do que um frescão no Rio de Janeiro, diga-se de passagem.

Mais uma vez a sensação de nervoso. Perguntei as indicações para a mulher do guichê do ônibus de onde eu pegaria e ao chegar lá, tinham mais ônibus do que eu poderia esperar. Qual era o que eu pegava? E se eu pegasse o ônibus errado? E se eu fosse para o lugar errado? Engoli em seco e fui em frente, porque não tinha como e não iria valer a pena desistir. Se eu pegasse o ônibus errado, então iria ter que me virar depois. Se eu fosse para o lugar errado, teria que me achar. Não havia opção diferente disso. Tomei um soco de realidade e de coragem ao entender que estar sozinha significava isso: não depender de outra pessoa para te dizer o que fazer. Você mesmo tem que fazer isso.

Entrei no ônibus e minutos depois estava na estrada. A viagem foi rápida, sem trânsito e sem problemas. Estava sentada na última cadeira do ônibus – literalmente – com a cadeira vaga ao meu lado onde pude colocar minha bagagem e observar a paisagem sem problemas. A estrada era limpa e reta, fácil de seguir, até que chegaram um monte de curvas que eu realmente não vi de onde vieram. Então tinha que me segurar por conta da sensação de que iria cair pela janela. Deu tudo certo, não caí. Pequenas vitórias do dia a dia.

Cheguei na rodoviária e encontrei minha amiga, Isabela Castro, pronta para dar mais um passo na viagem diante de ir para a casa dela e ficar como hóspede e responsável de mim mesma. A moral desse post, afinal, é sobre novas experiências. Há coisas que você pode sempre querer na sua vida, mas que não vão valer tanto a pena quando finalmente as ganha. Mas há coisas que quando você as consegue realizar, depois de luta e de tentativas e de muita conversa, que valem cada centavo e cada tempo perdido. Basta decidir como irá gastar esse seu grande desejo e esperança de alguma coisa positiva. Apesar desse post ter ficado bem regular (principalmente pela falta de tempo, já que estou atrasada para um evento social), era o que eu queria passar.

Viajar sozinha é estranho. E bom. E gratificante. E maravilhoso. Principalmente quando se vai para um lugar que te faz sentir cada vez melhor a cada momento que passa.